Exames

Saúde do Bebê

O Laboratório Ary Costa é referência na região Sul na especialidade de micologia, conheça um pouco sobre a importância desta especialidade:

Micologia é o estudo das micoses, sendo este o nome dado a várias infecções causadas por fungos. Existem cerca de 230 mil tipos de fungos, mas apenas 100 tipos aproximadamente que causam infecção. Visto que os fungos estão em toda a parte, é inevitável a exposição a eles. Em condições favoráveis (como ambientes com muita humidade e calor excessivo), os fungos se reproduzem e podem dar origem a um processo infeccioso que, dependendo do fungo ou da região afectada, pode ser superficial ou profundo.

MICOSES SUPERFICIAIS

Nesse tipo de micose, os fungos se localizam na parte externa da pele, ao redor dos pêlos ou nas unhas, alimentando-se de uma proteína chamada queratina. A micose superficial mais comum é o 'pé-de-atleta', que atinge a pele entre os dedos, geralmente dos pés. Ela pode vir acompanhada de uma infecção bacteriana. Em alguns casos a cura pode demorar vários meses. A onicomicose (infecção fúngica da unha) também é extremamente frequente na população adulta, particularmente nas unhas dos pés. A Pitiríase versicolor, conhecida vulgarmente como pano branco, é uma micose superficial causada pela levedura Malassezia furfur.

MICOSES PROFUNDAS

Incluem-se neste grupo infecções fúngicas que afetam a profundidade da pele ou subcutâneas (por exemplo, Esporotricose e Cromomicose) e aquelas que se instalam em órgãos internos (por exemplo, Blastomicose, Criptococose). Na micose subcutânea normalmente a infecção fica restrita à pele e ao tecido subcutâneo. Enquanto na micose profunda propriamente dita, os fungos se espalham através da circulação sanguínea e linfática. Podem infectar a pele e órgãos internos como pulmões, intestinos, ossos e até mesmo o sistema nervoso.

CONTÁGIO

Algumas formas comuns de se contrair uma micose:
Contato com animais de estimação;
Em chuveiros públicos;
Lava-pés de piscinas e saunas;
Ao andar descalço em pisos úmidos ou públicos;
Uso de toalhas compartilhadas ou mal-lavadas;
Equipamentos de uso comum (botas, luvas);
Uso de roupas e calçados de outras pessoas;
Uso de alicates de cutículas, tesouras e lixas não-esterilizadas;
Contato com material contaminado em geral;
Usando roupas úmidas por tempo prolongado.

PRECAUÇÕES

Alguns procedimentos que diminuem o risco de se contrair uma micose:
Procure usar calçados menos abafados;
Evite andar descalço em pisos úmidos;
Nunca use toalhas compartilhadas e/ou mal lavadas;
Após o banho enxugue-se bem, principalmente nas áreas de dobras, como o espaço entre os dedos dos pés e virilha;
Use sempre roupas íntimas de fibras naturais como o algodão, pois as fibras sintéticas prejudicam a transpiração;
Verifique se os objetos de manicure, como alicates, tesouras e lixas são esterilizados (ou tenha um de uso exclusivo seu);
Em contato prolongado com detergentes, use luvas e enxágue as mãos toda vez que usar esponja;
Evite utilizar pentes, escovas de cabelo e travesseiros de outras pessoas.

TRATAMENTO

Existem medicamentos rápidos, eficazes e seguros para o tratamento de micose. Mas, apesar de ser um tratamento simples, exige persistência, porque é comum pensar que o fungo está eliminado, quando na verdade não está. Portanto, o paciente não deve interromper o tratamento quando se sentir melhor. Deve seguir corretamente o tratamento indicado pelo seu médico.

Volta

LABORATÓRIO ARY COSTA

Rua Félix da Cunha, 760 - Centro, Pelotas-RS

Telefone: 53 3222.6529

Comparte